728 x 90



  • img

    Quero ser helicóptero… 2

      Quando era menino, no Bairro de S. João, no Lobito, os mais velhos faziam a pergunta sacramental aos candengues: "O que queres ser quando fores grande?" - Polícia, bombeiro, enfermeira, astronauta, respondiam os putos e as meninas que brincavam comigo a fazer currais para os matrindindis, ou a baptizar bonecas no quintal da D. Emília, mãe da Isabel Oliveira (Belinha) e da Dulce Pereira (Dulce). Eu respondia que queria ser helicóptero.

    LER MAIS
  • img

    O GOOGLE não sabe o que são cisnas 2

      A propósito do texto “Quero ser helicóptero…”, respigado de post colocado no Facebook, brindaram-me com simpáticos e nostálgicos comentários. O João Pinto retirou as cisnas do seu arquivo morto, a Ju (Maria Arandas) (re)lembrou-se delas, das tampinhas das garrafas. Algumas traziam no interior película que se descascava, truque para fidelizar os bebedores, por vezes davam prémios.  Mas o Dr. Google sobre o assunto nada diz. Acha que são as mulheres dos cisnes…

    LER MAIS
  • img

    13 DE SETEMBRO 1999

    Carta a Pedro Unamet Rodrigues 2

      Olá Pedro. Deixa que te conte uma coisa, passada há 24 anos. No meu país a independência já se atolava em rios de sangue. No meu bairro, um dos mais pobres do Lobito, mataram o pai da Cristina. Era um homem grande, hercúleo. Viram-no na placa de sua casa, a ver o tiroteio, correu que era ele que dava o gatilho e não era, e mataram-no. Ainda teve tempo para esconder mulher e filhos nos guarda-fatos. Ele tombou mesmo frente à casa que ainda não tinha pintura.

    LER MAIS
  • img

    PAULO EDUARDO CORREIA

    Esta carta trouxe-me lágrimas sem fim... 2

     De entre o baú das memórias, guardo uma em particular, uma carta escrita por um dos meus melhores amigos a um menino – o Pedro Unamet Rodrigues – nascido nesses dias imediatos de glória, então publicada no Jornal de Coimbra. Essa carta, confesso-o sem qualquer pudor, trouxe-me lágrimas sem fim, pela tradução ímpar dessa corrente de solidariedade de que fomos capazes. Colei cópias em todos os vidros disponíveis do local onde então trabalhava, o Tribunal de Família e Menores de Coimbra.

    LER MAIS
  • img

    NELSON NED

    Fizeste questão de morrer num Domingo à Tarde 2

      Não é por teres o nome do meu pai e do meu irmão que assinalo aqui o teu Até Breve! Não é por nos teres enganado jurando que "Tudo Passará", porque a nostalgia não passa nunca.

    LER MAIS